Mãe x pai ausente

Este texto foi extraído de um dos vários grupos de Mães Solo que eu participo no Facebook. É de autoria de Thaís Deiviziis.


Como é injusta a relação entre uma mãe x um pai ausente.
Começamos pela gravidez. Por lei o pai é obrigado a pagar uma pensão para os alimentos da gestante, apenas. Mas a mãe, ela vai passar por momentos péssimos, e sozinha. Ela vai sentir dores, angústia, ansiedade, medo, preocupações. Ela vai sentir seu corpo se modificando inteiro. Provavelmente não vai se relacionar com outra pessoa tão cedo, porque ela tem outras responsabilidades e prioridades. Vai se sentir gorda e feia, ver sua pele se encher de espinhas, seu corpo se rasgar de estrias, seus seios inflar como um balão (e doer). Não vai poder gastar seu dinheiro com ela mesma, porque enquanto o cara paga uma porcentagem miserável do seu salário, ela vai comprar as coisas do seu bebê. Porque o que o cara da não cobre bem 5% dos gastos que ela tem. Mas quando ela reclama ela é chata, é louca, tá querendo chamar a atenção. E ela tem que entender né? Afinal ele não pode deixar de viver sua vida, de ser “feliz”. Coitadinhos!

E se o cara tiver namorando então, ela não pode ficar em cima, porque vai fazer eles brotarem. O relacionamento deles é mais importante que o próprio filho, óbvio.
Chegou o grande dia: vai nascer. É hoje, eba! Ansiedade, ansiedade… aí ta doendo. Dor, dor, dor e mais dor… Deus, por favor só me tira essa dor! Vai nascer, hora do parto, a tão esperada… que dor é essa? não consigo nem pensar! Medo… muito medo, e novamente ela está ali, sozinha. “O pai não acompanha?” “A criança não tem pai”. “Vagabunda, deve ter dado pra qualquer um.” “Mas como não tem pai?” “Processa pra ganhar pensão (foda-se seu emocional).” “Esqueceu de usar camisinha né?” “Mas um dia Deus vai colocar um grande homem na sua vida que vai assumir a você e a sua filha.” E novamente, ela está na mesa do parto, sozinha. Força, tá nascendo, força… Força? Mais força? Sim mulher, você é muito forte, você nem faz ideia da sua força. Nasceu. Lindo, saudável. Novamente eu senti dor e você não, mas não posso reclamar né? O bebê é lindo. E você tem todo direito de viver sua vida, “ser feliz”.

A criança nasce totalmente indefesa, incapaz de fazer qualquer coisa sozinha. A mãe da mama, estoura o seio. Doi demais, doi muito, ela não vai suportar. Ela vai, ela tem que suportar, que tipo de mãe não amamenta seu filho? Leite materno é importante pro bebê. A criança mama, mama, mama… o tempo inteiro, dia e noite. A mãe não dorme, não se alimenta direito. A mãe está estressada, está no seu limite. Mas tenta entender o pai né, afinal, ele não fez nada pra te ajudar mas tem esse direito, ele tem o direito de viver sua vida, de “ser feliz”.

Agora o bebê está chorando, ele não para de chorar… Ela ja trocou, ja amamentou, o que fazer? São cinco da manhã, anda pela casa… nossa ta clareando, são seis e meia, a criança ainda tá chorando, vamos dar peito de novo. Coloca no peito, espero que dessa vez ele durma. E o pai? Deve estar dormindo, ou transando com a namoradinha nova. Mas ele pode, ele tem o direito de viver sua vida, de ser “feliz”.

A mãe ta cansada, acabada, solitária, estressada. Se olha no espelho mas não reconhece o próprio corpo. Como vou me despir novamente na frente de qualquer outro homem com todas essas marcas? Com a barriga desse tamanho? Com os seios caídos? E o pai? O pai tá com um corpão, porque ele se cuida ne. E quer uma mulher que se cuide também. Ele ta vivendo a vida dele não é mesmo? Tem o direito de ser “feliz”.

Por lei ele tem o direito a visitas, mas não é obrigado a visitar. Mas quando ele quer, a mãe é obrigada a recebe-lo, porque é lei e não deixar um pai ver um filho é crime, o pai não querer ve-lo não. Se o cara tem namorada e ela manda ele não entrar em contato com a mãe, ele pode, ele tem esse direito. Agora se a mãe tem um namorado e ele manda ela não entrar em contato com o pai, ela não pode, porque não passar informações sobre o filho pro pai é crime. Agora quando ele não quer receber as informações não.

A mãe engravida, dá a luz, amamenta, cuida do filho, acorda de madrugada, leva no hospital quando ele não ta bem, trabalha e quando chega tem o filho pra cuidar. Mas é o pai que está cansado, afinal coitado né? Ele trabalha pra pagar uma miséria de pensão, que ele jura ser muito ainda porque um pai tem o direito de viver a sua vida independente e livre. Sem responsabilidades, sem preocupações. Passar uma vez por mês pra brincar meia hora com o filho. Olha que paizão.

Não estou reclamando da responsabilidade não, porque faço isso por amor, faço com carinho. E faria muito mais se preciso.
Estou aqui falando por todas as mães, por todas as filhas, por todas as MULHERES. Por todas as mulheres que foram capacitadas para desenvolverem os dois papéis. Porque não é fácil, porque não é simples mas é satisfatório. Porque no final você não está sozinha, você tem a coisa mais valiosa de sua vida ao seu lado: seu filho.
E O PAI??? Ah esse ta por ai, tentando preencher seu vazio com namoradinhas, em algum bar, em alguma baladinha, saindo com os amiguinhos. Tentando ser feliz, tentando seguir sua vida porque ele tem esse direito, de seguir sua vida, de ser “feliz”.

Mas na verdade ele é só mais um infeliz, que não sabe dar valor a família e nem ao amor. Que não sabe ser pai, que não sabe ser homem.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × dois =