Da (im)perfeição forjada

Meu Filho ficou comigo no final de semana passado e nos divertimos muito, saímos e brincamos bastante o tempo todo. Com isso, eu acabei esquecendo de lavar a camisa de escola dele e, quando minha mãe me perguntou sobre, já era bem tarde. Aí saí correndo para consertar isso… corri para lavar a camisa, passar um ferro, pendurar no varal e torcer para estar seca até a hora do João sair.

Minha mãe me esculachou tanto, tanto, taaaaaaanto que eu parecia a Mãe mais porca do mundo!

Mesmo que João vá limpo para escola diariamente, eu era a Mãe mais porca do mundo; mesmo que os materiais de escola estejam arrumados direitinho, eu era a Mãe mais porca do mundo; mesmo que a lancheira dele vá sempre cheia de coisas fresquinhas, eu era a Mãe mais porca do mundo; mesmo que eu leve e traga da escola, eu era a Mãe mais porca do mundo. Mesmo que acerte 99% das vezes, aquele 1% me torna a pior Mãe do mundo! A camisa da escola que eu esqueci de lavar naquele fim de semana foi só UM exemplo dentre tantas outras críticas ferozes que minha mãe me faz cotidianamente… Mas ela não está sozinha nessa, a sociedade como um todo costuma ser bem feroz com Mães solteiras. A nós, não é permitido errar. A maternagem solo, por si só, já é grande um erro para muita gente…

Aí me lembrei de quando meu Filho foi passar o primeiro final de semana com o pai dele e voltou todo assado. Quem literalmente se f*deu para cuidar das assaduras e passou o resto da semana lavando fralda de pano na mão fui EU. E quando fui desabafar a minha raiva pelo acontecido no facebook, ainda teve mulher que comentou “Ah relaxa, homem não tem jeito pra isso mesmo…”, como se jeito-pra-cuidar-de-filho fosse um item de série somente na fabricação da mulher, como se cuidar de uma criança fosse muito mais um dom nato do que uma prática. Sim, homens, cuidar de filho pode ser aprendido! Parem de se encostar no tal “instinto materno” para continuar fazendo P nenhuma!

Taí algo que eu NUN-CA vou aceitar: por que a sociedade é tão complacente com os erros dos pais e tão implacável com os erros das Mães? E por que os acertos dos pais são tão exaltados e os acertos das Mães “não são mais do que obrigação”? Por quê, por quêêêêêêêêê? Quanta desigualdade de valores, quantos pesos e quantas medidas…

Eu fico muito triste que esse comportamento excessivamente crítico da minha mãe colabore e corrobore com a manutenção dessa desigualdade. Minha maior responsabilidade como Mãe é quebrar essa cadeia de desigualdades e educar meu Filho de forma JUSTA para que ele replique a justiça com as outras pessoas do mundo…

Eu sei que ainda vou ouvir muita ladainha chata no ouvido, que ainda serei muito criticada, que ainda vou ver muitos dedos apontados na minha cara e também sei que meus erros nunca serão perdoados. Acostumem-se a minha imperfeição! Viver é tentativa-erro! Eu errei, erro e errarei muito mais, tentando acertar sempre, mas sei que nem sempre sai tudo como quero. Mas jamais vou aceitar que me diminuam como Mãe por isso, jamais permitirei que envenenem a minha maternagem com as suas críticas.

E outra, acostumem-se à ideia de que meu Filho não reproduzirá nada desse lixo que vocês vomitam hoje! O seu discurso embolorado está com os dias contados…

Maria Bethânia – Trampolim

Sem olhar, sem respirar,
Sem rir, sem falar, sem pensar,
Salte pra algum lugar
Qualquer piscina
Ou o mar de amaralina
A vida não é mais do que o ato
Da gente ficar
No ar
Antes de mergulhar
No ar

Beijos da Mãe

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − um =