Dos meus Demônios:

Uma vez, uma amiga me disse que sofro de “matrimoniofobia”. Nunca me esqueci disso mas, na boa, concordo com ela…

Na única vez em que passei pela situação de quase-casamento, apesar daquela empolgaçãozinha de querer comprar casa, enxoval e tal, um medo gigante rondava a minha cabeça, uma sombra me sussurrava que aquilo não ia dar certo.

Mas agora eu descobri o porquê das coisas: eu não tenho medo do casamento, eu tenho medo da CONVIVÊNCIA! Viver diariamente com uma pessoa sob o mesmo teto é enxergá-la com lupa de mão. A convivência revela demônios que a falta dela, aliada à paixão, jamais mostraria, e eu sempre penso no outro nesse momento: estaria a outra pessoa preparada para suportar os MEUS demônios? Não penso muito em mim porque confio na minha capacidade de ser flexível, mas o mundo anda tão volátil que ao menor sinal de diferença já se desfazem os relacionamentos… Será que eu também estaria pronta para aceitar os demônios do outro?

Hoje cedo, tive uma discussão com a minha mãe. A nossa convivência SEMPRE foi complicada, dada às nossas diferenças… E sempre nesses momentos, ela faz questão de exaltar os demônios da convivência comigo. Ela me pariu, vive comigo há 28 anos, ela entende do assunto… mas não é só ela! Meu pai e meu irmão fazem o mesmo (e olha que eu quase não brigo com eles!), o que me leva a crer que realmente deve ser difícil conviver comigo. Seria uma grande maldade ao universo libertar esse demônio para viver com outras pessoas?

E eu fico em dúvida: faço maquiagem e ensino boas maneiras a alguns demônios, suprimo alguns deles para viver em desarmonia comigo e em harmonia com os outros; ou continuo intacta, in nattura, exatamente como sou com todos meus demônios inclusos… e permaneço só?

Dúvida cruel…

Demons
Chelsea Wolfe

"Demons, demons, demons, demons!"

Comments: 3

  1. Eu tb não sei os limites…acho que instintivamente eu sou mais tranquila em ambientes com pessoas que não são íntimas.
    E uma coisa que reparei é que determinadas coisas prolongam o controle dos meus demônios, um exemplo disso é minha corrida matinal. Ela é garantia de bom humor por todo o dia, ou quase todo quando não tem nenhum imprevisto que me faça colocar tudo pra fora.
    Sei lá, é tudo autoconhecimento…mas a gente tá ai pra isso tb né? Conhecer a vida, o mundo, as pessoas e a nós mesmos!
    E ter fé é importante! Diria até que principal!;)
    Beijos, flôr!

  2. Clarinha, sobre ser feliz com meus demônios… sim, pior que sim. Não todos, fato, mas muito do que consideram demônios em mim eu penso o contrário. Eu sei que viver em sociedade pressupõe ceder em muitos pontos, mas até que ponto ceder? Até onde eu devo fazer cara bonita pra agradar os outros? Eu nunca sei o limite…

    Sobre "descontar" nos mais íntimos, acontece o mesmo comigo… mas não é de propósito, é a tal da lupa de mão que eu falei. Quem VIVE comigo me conhece muito bem, sabe como me por no céu e me jogar no inferno, sabe oq me falar nas horas certas e erradas. Magoar e alegrar quem está próximo é MUITO mais fácil do que com pessoas que não vivem conosco…

    Nas minhas orações, eu sempre mentalizo que preciso ser alguém melhor. Em alguns aspectos que já identifiquei, como a disciplina que anda MUITO em baixa, eu oro forte! Mas nos outros que não enxergo, deixo o universo livre para me apontar e que eu tenha sensibilidade para acolher as críticas e saber me mudar quando necessário…

    Vou continuar rezando. Minha fé é infinita! Em mim e nas pessoas…

  3. Primeiro: que música foda!!!
    Quanto aos demônios, vc tem que pensar se vc é feliz com eles.
    Eu tb sou uma pessoa difícil de conviver a ponto de minha avó paterna me dizer desde pequena "vc nunca vai casar com esse gênio que vc tem!". Conforme cresci vi que algumas coisas em mim eu não gostava. Detestava me sentir mau humorada, com raiva, querendo esbravejar todo o meu demônio em cima de alguém, na verdade sempre em cima dos mais íntimos, claro.
    Desde então venho tentando melhorar, não estou 100% não, e acho que nunca estarei, mas já consigo controlar um pouco esses demônios que não gosto.
    Acho que o lance tb é vc amar as pessoas "apesar de" e não só "por causa de". Isso ajuda muuuuuuito! 😉

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − 5 =